O que é SEO? Como funciona a otimização para mecanismos de busca

Saiba o que é SEO e quais são as subcategorias dessa estratégia


Table of Contents


Ilustração: homem com os braços abertos e duas interrogações ao fundo, indicando dúvida. Atrás é exibida a sigla SEO (Search Engine Optimization).

Você sabe o que é SEO?

Caso a resposta para essa pergunta seja negativa, não se preocupe. 

Afinal, há um grande leque de oportunidades e estratégias voltadas ao marketing digital na atualidade. 

Contudo, é importante frisar que trata-se de uma das mais importantes técnicas para se destacar no ambiente online. 

A otimização para mecanismos de busca nos apresenta a um amplo universo para atrair visitantes para páginas de um blog, site ou loja virtual. E, a seguir, gerar possibilidades para convertê-los em clientes leais. 

Se você quer aprender sobre o assunto, continue a leitura. 

No texto a seguir, saiba o que é SEO, como funcionam as principais técnicas e outras informações relevantes.

Afinal, o que é SEO?

SEO é a sigla para Search Engine Optimization (Otimização para Mecanismos de Busca). Trata-se de um conjunto de técnicas voltadas ao posicionamento de links para páginas relevantes no topo das páginas de resultados dos motores de pesquisa como Bing, Yahoo e, especialmente, o Google. 

Ou seja, é uma ferramenta de marketing digital que explora a possibilidade de solucionar uma questão pesquisada pelo usuário para atraí-lo para páginas internas. Assim, atingindo objetivos de negócios. 

Como funciona o SEO?

Uma lupa sobre a barra de pesquisa de um mecanismo de busca. Na busca está escrito: "como funciona o SEO?".Os mecanismos de busca são responsáveis por aproximadamente 93% do tráfego gerado em toda a internet (99firms, 2022). Desse montante, 78,39% são realizadas no Google. Por essa razão, é considerado o mais importante quando se trata de SEO. 

Quando um usuário realiza uma busca,  o motor de pesquisa é ativado. A seguir, ele varre a internet em busca de páginas que possam interpretar a sua intenção de busca e apontar potenciais resultados para resolução do problema. 

A grande questão é que existem mais de 50 bilhões de páginas na web (Siteefy, 2021), muitas delas capazes de serem exibidas como potenciais respostas a uma mesma dúvida do usuário. 

Então, como definir quais delas priorizar?

É aí que entra o algoritmo do Google (ou Googlebot), um robô responsável por criar um ranking de páginas baseado no termo de pesquisa (ou palavra-chave) digitado no campo de pesquisa pelo usuário. 

Para tal, leva em consideração os fatores de ranqueamento, com o objetivo de classificar as páginas por ordem de relevância, e insere links para redirecionar o usuário para elas. 

À página exibida no Google após a busca, dá-se o nome de página de resultados (ou SERP, sigla para Search Engine Result Page). 

Ocorre que, com o volume de novas páginas surgindo e sendo modificadas em tempo real, essa página pode ser estática. É por isso que o algoritmo as reavalia com frequência, reposicionando os links para compreender quais delas são propícias para sanar o problema do usuário. 

Em outras palavras, as páginas de resultado são dinâmicas e ganham e perdem posições. 

Para os profissionais de marketing, isso representa uma oportunidade de aquisição de tráfego orgânico, que a seguir pode ser utilizado para os mais diversos objetivos, como monetização, vendas ou geração de leads. 

Fatores de ranqueamento

Gráfico de barras com três colunas crescentes. Sobre a última, há uma bandeira roxa.Os fatores de ranqueamento são os critérios adotados pelo Google para estabelecer uma ordem de resultados que beneficie o usuário (do mais importante ao menos importante). 

Existem pelo menos 200 deles, mas esse não é um número exato. Os profissionais de SEO são responsáveis pela realização de testes para descobrir o que agrada ao algoritmo e, consequentemente, ao usuário. 

Alguns exemplos de fatores de ranqueamento conhecidos são: 

  • Intenção de busca
  • Palavra-chave (URL, headings, tags, densidade no corpo do texto)
  • Referências (links que direcionam para a página)
  • Tráfego
  • Idade do domínio
  • Idade da página
  • Velocidade de carregamento de página
  • Table of contents
  • Qualidade do conteúdo (fator subjetivo)
  • Leiturabilidade
  • Escaneabilidade
  • Autor
  • Design responsivo
  • AMP (páginas aceleradas para dispositivos móveis)
  • Estrutura de links
  • Experiência do usuário
  • Arquitetura da informação
  • Sitemap
  • Certificado de segurança.

SEO on page

É chamado de SEO on page toda ação voltada à otimização de uma página que está diretamente sob controle do administrador. 

Em termos mais simples, se refere a qualquer atividade de página cujas configurações podem ser alteradas, visando um melhor desempenho. 

Alguns exemplos são a atualização de conteúdo, modificação de tags e meta tags, redesign, inclusão e remoção de plugins, links ou imagens.

SEO off page

Dá-se o nome de SEO off page a toda ação voltada à otimização de uma página que extrapola os limites de atuação do administrador. 

Basicamente, refere-se à aquisição de referências (backlinks ou links de entrada) em páginas externas. 

Algumas das táticas mais conhecidas são o guest post, as relações públicas digitais (digital PR) e o link building. 

SEO técnico

O SEO técnico se refere a mudanças estruturais realizadas para beneficiar a otimização. 

Em suma, é toda a ação voltada a melhorias técnicas na arquitetura do site para se adequar às diretrizes do mecanismo de busca.

SEO para conteúdo

O SEO para conteúdo é uma das ações de estratégia de marketing de conteúdo. Também é considerada uma tática de SEO on page. 

Contudo, se refere especialmente ao conteúdo publicado no blog corporativo de uma empresa. 

A otimização de textos é uma das mais populares práticas de SEO, já que são responsáveis por responder à maior parte das dúvidas do usuário. 

SEO local

O SEO local é um conjunto de práticas cujo principal objetivo é posicionar páginas de um estabelecimento físico no topo do Google. 

Isso é natural, já que o algoritmo também leva em consideração fatores geográficos para se adaptar à intenção de busca do internauta. 

SEO para ecommerce

SEO para ecommerce é o nome dado às técnicas voltadas à otimização de landing pages de produto ou lojas virtuais em geral.

Aqui são aplicadas diferentes técnicas de palavras-chave com foco em buscas transacionais. Ou seja, quando o usuário tem uma intenção de compra. 

SEO black hat

O SEO black hat às técnicas de otimização que vão contra as diretrizes do Google e demais buscadores. 

Em outras palavras, ao que não se deve fazer ao criar páginas otimizadas. 

Essas táticas são atualizadas frequentemente, já que o algoritmo sofre constantes atualizações. Por isso, algumas delas podem ter sido válidas em algum momento. 

Alguns exemplos são keyword stuffing (repetição excessiva da palavra-chave), conteúdo duplicado, spam, PBNs (redes privadas de blogs), compra e venda de links e doorway pages (páginas que redirecionam automaticamente para outra página que não tem relação com a busca do usuário). 

SEO negativo

SEO negativo é um conjunto de ações que visam prejudicar, propositalmente, as técnicas de otimização dos adversários. 

Alguns exemplos de sua aplicação incluem avaliações e reviews negativos no Google Meu Negócio e a inclusão de links tóxicos para as páginas adversárias, com o objetivo de gerar penalizações. 

O SEO oferece um mar de oportunidades para empresas e negócios. Saber se aproveitar delas pode ser a diferença entre o sucesso e o fracasso de um negócio. 

Então, se você quer saber mais sobre o tema e receber informações diretamente em sua caixa de entrada, inscreva-se na nossa newsletter.

ARTIGOS RELACIONADOS

NEWSLETTER

Cadastre-se para receber tendências e análises sobre as melhores práticas de marketing digital

Últimos Posts