Conheça 5 exemplos de marketing no agronegócio

Inclusão no mundo digital faz marcas dispararem na preferência do público e na conversão de leads


Table of Contents


Ilustração: mulher regando uma planta, da qual brotam ícones sociais, representando os exemplos de marketing no agronegócio.Já falamos aqui no blog que o marketing pode ajudar o agronegócio a divulgar sua importância para o mundo, agregar valor aos produtos, potencializar vendas, identificar os perfis dos clientes para atrair mais seu público-alvo e até gerar impacto positivo nas causas socioambientais.

E mostramos também como o marketing digital consegue fazer tudo isso de forma mais eficaz que no modelo tradicional – gastando bem menos.

Neste artigo, vamos trazer exemplos concretos de como o marketing realmente fez alguns negócios agro brilharem.

Exemplo 1: Caso Friboi

Na monografia “Análise de casos de sucesso no marketing aplicado ao agronegócio”, apresentada na Universidade Federal do Paraná (UFPR) em 2016, é apresentado o marketing usado pela JBS como um case de sucesso.

A pesquisa destaca duas ações da JBS que contribuíram para tornar a marca Friboi top of mind entre os brasileiros.

A primeira foi a promoção Miniastros, de 2012, que remete aos minicraques que a Coca-Cola criou na Copa do Mundo de 2018. Dessa vez, no entanto, os bonequinhos eram de astros sertanejos. 

Segundo a revista Exame, apenas na primeira semana de promoção foram trocados 400 mil bonecos de um total de 2 milhões. Lembrando que, para adquirir um único exemplar, era preciso comprar cinco produtos da marca Friboi.

Depois, em 2013, o ator Tony Ramos foi contratado como garoto-propaganda da marca, com a intenção de passar credibilidade para o produto. Resultado: a campanha “Peça Friboi. Carne confiável tem nome” ganhou o prêmio Marketing Best 2013.

Mas a empresa não ficou só no marketing tradicional. A Friboi se consolidou como uma marca mais conhecida do público em geral do que a própria JBS. E é visível o investimento em marketing digital feito nos últimos anos.

O site da Friboi tem desde loja online até receitas diversas. A ferramenta “churrascômetro” permite calcular a quantidade de carne, bebida, sal e carvão necessária para um churrasco, dependendo da quantidade de convidados.

Outras possibilidades do marketing digital estão lá: um mapinha para encontrar mais de 1.200 açougues espalhados pelo Brasil, manuais técnicos, artigos e palestras direcionados para os pecuaristas, um canal de YouTube com chefs preparando receitas, dentre várias outras.

Nas redes sociais, a marca faz posts com receitas, promoções e brincadeiras do tipo “marque o amigo nos comentários”, para gerar engajamento. São mais de 1 milhão de seguidores na página do Facebook e mais de 140 mil no Instagram.

Exemplo 2: Caso Itambé

O mesmo estudo apresentado na UFPR destaca o trabalho de marketing feito pela Itambé, que também usou as vantagens do marketing digital.

A marca começou a investir em peças publicitárias ensinando receitas tradicionais do brasileiro, como pudim de leite e brigadeiro. Isso deu tão certo que começou a ser levado para um blog, que tinha dicas simples para seu público final, nas categorias “mães”, “Gastrô” e “fitness”.

A pesquisa aponta que, mesmo quando surgiu uma crise com uma denúncia de contaminação no achocolatado Itambezinho – que não se confirmou –, a marca soube usar bem as redes sociais e a internet para se posicionar, assegurando a qualidade de seus produtos.

O resultado é que, ainda hoje, a página da Itambé no Facebook, que se consolidou como seu principal canal digital, tem quase 1 milhão de seguidores. E a empresa também está presente no Instagram, no qual tem 140 mil seguidores. 

Recentemente, a marca passou a investir em conteúdo de vídeo, com participação do chef de cozinha mineiro Leo Paixão, que ensina a fazer receitinhas – a mesma fórmula que já tinha dado certo anos antes, em outros formatos.

Já teve vídeo do chef com o músico Rogério Flausino, ensinando a fazer fricassé de frango, e outro com o influencer Gustavo Tubarão, no preparo de quitutes de festa junina, por exemplo.

Exemplo 3: Caso Barenbrug do Brasil

De um lado, uma mão segura um ouvido. Do outro uma mão segura um ímã.A empresa holandesa, fundada em 1904, é líder mundial no segmento de sementes forrageiras e está presente no Brasil desde 2012, apesar de ter iniciado sua operação comercial no país apenas em 2015.

Pois bem: até a pandemia chegar e obrigar todo mundo a pensar mais nos negócios digitais, a Barenbrug do Brasil não tinha nenhum processo comercial digitalizado, nenhuma plataforma de CRM, nem sequer tinha Google Analytics para mensurar os acessos ao site.

Segundo a RD Station, empresa de automatização de processos comerciais que trouxe este case de sucesso, a pandemia fez a Barenbrug passar a pensar no digital. Com uma equipe de quatro profissionais focados nisso, passou a produzir conteúdos com otimizações pensadas para o SEO para atrair um público-alvo de qualidade.

A empresa trabalhou o marketing de conteúdo em seus vários canais, com blog, folders digitais, cursos online, vídeos, podcasts, eBooks etc.

Os resultados em curto tempo e com pouco investimento foram palpáveis:

  • O Retorno sobre o Investimento (ROI) no ano safra da Barenbrug do Brasil (de 1º de julho de 2020 até 30 de junho de 2021) atingiu 587%
  • Site da empresa detém 44 palavras-chaves na primeira posição do Google
  • Site atingiu 82.461 visitantes no primeiro ano de investimento em marketing digital
  • No período, foram gerados 5.920 leads, dos quais 1.049 se transformaram em oportunidades comerciais

Quem navega pelo site da Barenbrug do Brasil em 2022 vê que eles aprenderam a lição do marketing digital e estão devidamente antenados com o tempo em que vivemos: lá é possível encontrar ricas informações sobre a empresa, blog, cursos, eBooks, planilhas, webinars, boas formas de contato e até um botão de WhatsApp para facilitar o relacionamento com os clientes.

Exemplo 4: Caso Jacobs Douwe Egberts (JDE)

Quem traz este caso, sem abrir os números, é o próprio Google.

Em 2020, o Think With Google divulgou que a JDE, gigante holandesa do segmento de cafés e chás, fundada em 1753, percebeu que o número de clientes comprando café online estava crescendo muito.

O que fizeram com essa informação? Investiram pesado no digital.

Eles perceberam que precisavam mudar a maneira como gerenciavam suas experiências digitais. E mudaram tudo.

O primeiro passo foi parar de tentar simplesmente aplicar no digital o que era feito para a TV. São universos diferentes.

“Tivemos que mudar essa mentalidade e garantir que nossa equipe digital tivesse o conjunto de habilidades certo. Por isso, realizamos um programa de capacitação digital no primeiro ano, garantindo que nossas equipes de marketing realmente entendessem o digital”, relatou Meghan Signalness, diretora global de digital e mídia ao Google, em 2020.

Depois de passar por uma transformação digital, a empresa passou a investir em marketing cada vez mais orientado por dados. O objetivo final é que o consumidor experimente os produtos que ele realmente prefere.

A empresa hoje é líder mundial de seu segmento, com atuação em mais de 140 países.

Exemplo 5: Caso Taurus

Um envelope de carta do qual saem uma boca, um íma e um megafone.A empresa canadense fundada em 2001 é especializada em produtos agronômicos.

Ela construiu sua marca em torno de processos tradicionais. Todo o crescimento da empresa foi calcado na equipe de vendas e no boca a boca. O site que ela tinha era totalmente subutilizado, como acontece com muitas páginas do universo agro brasileiro, ainda hoje.

Em 2016, a companhia decidiu entrar de cabeça no marketing digital.

O primeiro passo foi reformar totalmente o site do grupo Taurus. Ele passou a conter o catálogo completo de produtos da empresa. Depois, foi criado um blog, para fornecer conteúdo para os interessados no assunto e potenciais clientes.

Por fim, foram lançadas ofertas de conteúdo premium para os clientes que se cadastrassem.

Outras estratégias foram as newsletters e os posts em redes sociais.

Nas palavras da Everbrave, agência que cuidou da marca: “O conteúdo proporcionou valor real aos produtores e esse valor foi rapidamente demonstrado nos resultados impressionantes que começaram a se acumular nos meses seguintes”.

Apenas no primeiro ano, entre 2016 e 2017, as visitas ao site da Taurus aumentaram 152%. A taxa de conversão de visitantes melhorou 768% no período. 

Mais visitas se traduziram em mais negócios fechados para a empresa, o que culminou na consolidação da marca no mercado.

Todos esses exemplos mostram como o marketing pode ajudar no crescimento do agronegócio. Principalmente o marketing digital, com muita atenção ao conteúdo que vai atrair o consumidor final.

Deseja criar conteúdos que também vão valorizar a sua marca, mas não sabe por onde começar? Então entre em contato conosco e converse com um especialista no assunto!

Nova call to action

ARTIGOS RELACIONADOS

NEWSLETTER

Cadastre-se para receber tendências e análises sobre as melhores práticas de marketing digital

Últimos Posts