Como aparecer no Google: 5 opções para mostrar-se na SERP

O Google é o mecanismo de buscas mais utilizado na web


Table of Contents


Ilustração de um homem sentado em frente a um computador aberto na página do Google.

Saber como aparecer no Google é um dos maiores objetivos das empresas.

Isso tem um bom motivo. 

A marca é um dos principais players do mercado digital, dona de 92% das atividades em mecanismos de buscas (Statcounter, 2021).

Para se ter uma ideia, o principal concorrente, o Bing, alcança menos de 3% dos usuários. 

Além disso, é a maior e mais popular plataforma de anúncios de toda a internet. Apenas em 2020, foram mais de 146 bilhões de dólares em receita (Statista, 2021). 

É por isso que faz todo o sentido aparecer no Google e expor uma marca para boa parte dos usuários de internet.

Então, se você tem essa dúvida, chegou ao lugar certo. 

No texto a seguir, descubra como aparecer no Google, se destacar na página de resultados (também conhecida como SERP) do maior motor de pesquisas do planeta e estabelecer uma presença digital sólida

Como aparecer no Google?

YouTube, Gmail, Waze, Blogger, Drive. Esses são apenas alguns serviços e canais oferecidos pela empresa. 

É por isso que a pergunta “como aparecer no Google” pode se fragmentar em múltiplas vertentes. 

No entanto, podemos imaginar que o principal objetivo de quem realiza essa busca é a aparição no produto mais famoso da companhia: o mecanismo de buscas

Aparecer no Google gratuitamente x Aparecer no Google pagando

Antes de mais nada, é preciso dizer que existem duas maneiras de aparecer no Google: de maneira orgânica ou por meio de pagamento.

No primeiro caso, é necessário agradar ao algoritmo do Google, também conhecido como Googlebot, para que as páginas de um blog ou site sejam naturalmente bem avaliadas e posicionadas no topo das páginas de resultados. 

No segundo, é realizado um leilão por meio do Google Ads, plataforma na qual é possível que os anunciantes deem lances em palavras-chave. 

1. Busca orgânica do Google

A busca orgânica do Google funciona como um serviço para o usuário. 

Por isso, a função do algoritmo, nesse caso, é levar ao usuário o link para a página que melhor responde à sua intenção de busca. 

Vamos recorrer a um exemplo para facilitar a compreensão. 

Imagine que um usuário digite o termo “fio dental” na barra de buscas do Google. 

A primeira interpretação do algoritmo nos mostra imagens do produto fio dental, como demonstrado na imagem. 

Print screen de pesquisa no Google para o termo "fio dental".

Agora observe como o resultado muda ao utilizarmos o termo “o que é fio dental”. 

Print screen de pesquisa no Google para o termo "o que é fio dental"

Isso acontece porque o algoritmo identifica uma intenção de busca diferente entre os termos “fio dental” e “o que é fio dental”. 

Agora vejamos o que o Google nos oferece para o termo "biquíni fio dental”.

Print screen de pesquisa no Google para o termo "biquini fio dental"

Aqui o algoritmo identifica uma imediata busca transacional e indica ao usuário links para compra de produto. 

Assim, temos: 

  • “fio dental”: identificação de busca visual
  • “o que é fio dental”: identificação de busca informacional
  • “biquini fio dental”: identificação de busca transacional. 

Agora vamos entender qual é a importância do uso da busca do Google para gerar tráfego orgânico

Imagine, por exemplo, o quanto seria bom para uma clínica odontológica que o usuário que busca por “o que é fio dental” caísse em uma de suas páginas. 

Assim, seria possível responder suas dúvidas, atraí-lo, convertê-lo e, potencialmente, torná-lo um cliente. 

De modo semelhante, para uma loja de biquinis seria vantajoso se posicionar no topo do mecanismo para o termo "biquíni fio dental” para converter vendas diretas. 

Por isso, para aparecer na busca orgânica do Google, é necessário investir em técnicas chamadas SEO (Search Engine Optimization ou Otimização para Mecanismos de Buscas). 

Trata-se de ações que visam se adaptar às diretrizes do algoritmo e conquistar um bom posicionamento na página de resultados. 

Apesar de não ser diretamente pago ao anunciante, é preciso investir em elementos de otimização técnicos no site. Por exemplo: 

  • Arquitetura do site
  • Velocidade de carregamento 
  • Acessibilidade
  • Segurança
  • Link Building.

Mas, também, em questões pontuais em páginas específicas, como: 

  • Uso de palavras-chave
  • Links internos
  • Qualidade de texto
  • Escaneabilidade
  • Formatação agradável e multimídia.

Existem muitos outros exemplos, mas a verdade é que há mais de 200 fatores de ranqueamento para o Google. 

Ou seja, apesar de seu caráter gratuito, não é fácil aparecer no Google de maneira orgânica, havendo a necessidade de estratégia de conteúdo e otimização técnica.

2. Busca paga do Google e Google Shopping

A busca paga do Google é também chamada de rede de pesquisa do Google Ads. 

Apenas para nota, existem outros locais em que é possível anunciar em sites e aplicativos parceiros do Google. 

No entanto, para aparecer na página de resultados, é necessário investir em mídia paga na rede de pesquisa. 

Nesse caso, os ads são posicionados antes dos resultados orgânicos e indicados por meio de etiquetas. 

Print screen de pesquisa no Google para o termo "comprar fio dental"

Perceba que, nesse caso, é identificada a intenção de compra e acionada a plataforma Google Shopping. 

Ou seja, um local diferente da rede de pesquisa, que é listada logo abaixo. 

Aqui, como você pode imaginar, o algoritmo não leva em conta somente a qualidade da página, mas também quem paga mais. 

Normalmente, os lances do leilão são medidos pelo custo por clique (ou CPC). 

3. Google Meu Negócio

Quando um usuário busca pelo nome de uma empresa ou produto, é possível que seja identificada uma busca navegacional. 

Ou seja, o algoritmo identifica a intenção de encontrar um local físico e o indica para quem fez a pesquisa. 

É o que acontece na imagem abaixo: 

Print screen de pesquisa no Google para o termo "prosperidade conteúdos".

Como podemos observar, há alguns detalhes interessantes que podem levar o usuário ao local, avaliar os serviços ofertados ou simplesmente entrar em contato. 

Isso é especialmente valioso quando o Google utiliza dados geográficos para apontar soluções para o usuário.

Assim, quanto mais próximo ao local o usuário está, maiores as chances de ele ser redirecionado a páginas de resultados de buscas genéricas, como “shopping”, “sorveteria” ou “borracheiro”.  

Para ter uma página no Google Meu Negócio, basta se cadastrar por meio deste link

4. Google Notícias

O Google Notícias funciona como um feed separado e leva em conta não apenas a qualidade das páginas, mas também a data de publicação. 

Ou seja, a tendência é que exiba os resultados para a busca realizada da notícia mais recente para a mais antiga. 

Print screen de pesquisa no Google para o termo "brasil".

Para que uma notícia apareça no Google Notícias é preciso acessar o Publish Center e inserir manualmente a URL das postagens que deseja veicular. 

No entanto, esse processo necessita da aprovação da plataforma. 

5. Google Imagens

O Google Imagens, como o próprio nome diz, é voltado exclusivamente às imagens. 

Print screen de pesquisa no Google para o termo "araras"

Para aparecer no Google Imagens é necessário otimizá-las de maneira similar ao conteúdo, utilizando tags em elementos como título, descrição, texto alternativo, entre outros. 

Além disso, o tamanho, a velocidade de carregamento e a responsividade em diferentes telas também são itens valiosos. 

Se você deseja aparecer no Google e se destacar no maior mecanismo de buscas da web, pode ser uma boa ideia contar com um serviço terceirizado para auxiliá-lo. 

Se for o caso, duas soluções interessantes são a agência de marketing digital full service e a agência de conteúdo. Você pode clicar nos links para acessar textos completos sobre os temas. 

ARTIGOS RELACIONADOS

NEWSLETTER

Cadastre-se para receber tendências e análises sobre as melhores práticas de marketing digital

Últimos Posts