Core Web Vitals: o que são e qual é sua importância para o SEO

As Core Web Vitals foram apontadas pelo próprio Google como fatores de ranqueamento relevantes


Table of Contents


Ilustração: Duas mãos com os polegares e indicadores se tocando, formando o gesto do coração. Ao meio, há um coração ilustrado. Ao fundo, uma página da web. O conjunto representa as web core vitals.No universo do SEO, muito se fala sobre as Core Web Vitals. 

Elas são indicadores essenciais para uma boa experiência de página. Ou seja, fatores que beneficiam a navegação do usuário e podem ser mensurados. 

O desenvolvimento dessas medidas foi anunciado em maio de 2020, e teve como principal objetivo auxiliar os administradores de sites para garantir um melhor ranqueamento de suas páginas nos mecanismos de busca. 

No mesmo mês, elas foram incorporadas ao Googlebot, o algoritmo do Google responsável pela classificação dos resultados das pesquisas. 

Por isso, são elementos fundamentais para quem deseja ter bons resultados em ações de otimização e estratégias de marketing de conteúdo

Se você quer saber mais sobre as Web Core Vitals e os motivos pelos quais elas são tão importantes, não se preocupe, pois você chegou ao lugar certo. No texto a seguir, entenda o seu funcionamento.

O que são as Core Web Vitals?

Core Web Vitals (ou Corpo de Métricas Vitais, em uma tradução livre) são um conjunto de indicadores essenciais para um bom ranqueamento do Google, que se baseiam em elementos que beneficiam a experiência do usuário em páginas da internet. 

É sabido que o mecanismo de busca leva em conta mais de 200 fatores de ranqueamento na hora de posicionar os links na página de resultados por ordem de relevância. 

As Core Web Vitals são consideradas, como divulgado pela própria empresa, como alguns dos mais importantes fatores de SEO técnico. Em outras palavras, possuem um peso maior do que outros medidores. 

É possível encontrá-las tanto no Google Search Console quanto no PageSpeed Insights, onde os relatórios apontam com detalhes gráficos as páginas consideradas “pobres”, as que precisam de melhoria e as que se enquadram nos padrões das Core Web Vitals. 

Print de tela: painel do Google PageSpeed Insights.

Elas são divididas em três áreas da experiência do usuário: 

  1. Carregamento
  2. Interatividade
  3. Estabilidade Visual.

Juntas, compõem o que chamamos de Experiência de Página

Com isso, concluímos que para se adequar à padronização exigida pelo Google, uma página deve: 

  1. Carregar os elementos da página com velocidade em diferentes dispositivos
  2. Facilitar a navegação do usuário por meio de links, menus, formulários, barras de pesquisa, plugins e outros elementos de página, assim como sua funcionalidade
  3. Proporcionar uma experiência visual dinâmica, compreensível e funcional.

Para cada uma das áreas, é utilizada uma métrica: 

  1. Largest Contentful Paint (LCP)
  2. Cumulative Layout Shift (CLS)
  3. First Input Delay (FID).

A seguir, vamos nos aprofundar um pouco mais em cada uma delas.

Largest Contentful Paint (LCP)

A métrica conhecida como Largest Contentful Paint leva em consideração o tempo de carregamento dos blocos visíveis de uma página. 

Por exemplo, quando um usuário é levado a uma página, são carregados alguns blocos, que podem variar de acordo com o dispositivo utilizado e o tamanho da tela. 

Ao rolar o scroll, ele acessa outras seções de página, que também devem ser carregados rapidamente. 

De maneira sucinta, é preciso que os seguintes itens sejam carregados rapidamente: 

  • Plano de fundo
  • Imagens
  • Vídeos
  • Plugins
  • Texto
  • Outros elementos de página.

Para analisar suas páginas, basta acessar o PageSpeed Insights, do próprio Google e digitar a URL que deseja avaliar. Páginas com o valor de LCP abaixo de 2.5 segundos são consideradas saudáveis pela plataforma. 

Cumulative Layout Shift (CLS)

A métrica Cumulative Layout Shift (Mudança Cumulativa de Layout) leva em conta a facilidade de interação com uma página. Ou seja, seus elementos, como links, botões e outros itens e sua capacidade de resposta.

Isso quer dizer que ocorre no instante seguinte ao carregamento, quando, enfim, o usuário tenta navegar. O objetivo, aqui, é que tenha uma experiência agradável. Em outras palavras, deve ter uma boa usabilidade.

Quando as funcionalidades apresentam bugs, movem-se conforme o usuário desce o scroll ou problemas operacionais, essa é uma má notícia para as Core Web Vitals. 

Alguns dos componentes aqui considerados são: 

  • Performance da mudança de layout
  • Fração de layout (como os elementos instáveis afetam a área de visualização)
  • Fração de distância (distância que os elementos instáveis se movem na área de visualização).

Essa é mais uma métrica cujos detalhes são descritos pelo PageSpeed, e deve ser igual ou menor que 0.1.

First Input Delay (FID)

A métrica First Input Delay (Primeiro Atraso de Entrada ou Latência de Entrada) é utilizada para medir o tempo de resposta que um usuário leva para interagir com os elementos nela presentes. 

Repare que, aqui, é quando realmente temos a presença humana para a medição, ao contrário das métricas anteriores, nas quais falamos apenas sobre performance do website. 

Aqui é levado em conta o design da página e o tempo necessário para realizar a ação desejada. Mas isso não significa que apenas elementos visuais são considerados. O usuário deve conseguir realizar a ação desejada de maneira simples, intuitiva e, é claro, com uma resposta válida dos elementos da página. 

Em outras palavras, a FDI considera a experiência do usuário mediante às suas interações com os elementos, como cliques em links e botões. 

Para ser agradável aos olhos do Google, esse valor deve ser inferior a 100 milisegundos

Qual é a importância das Core Web Vitals?

Ilustração: um smartphone e um tablet com texto e links clicáveis em suas telas. Em cada um deles, há setas apontando para a esquerda e para a direita, representando a linkagem entre elas.As Core Web Vitals são importantes porque, de acordo com o próprio Google, trata-se de um fator de ranqueamento. 

Seu algoritmo é criado com base em cálculos que levam em conta uma série de métricas. E as informações sobre como é realizada essa conta não são divulgadas pela empresa. 

Portanto, quando a empresa se pronuncia, isso significa que é para divulgar uma informação extremamente importante, como no caso das Core Web Vitals. 

Elas são uma miscelânea de fatores considerados cruciais para uma boa experiência do usuário, como:

  • Protocolo de segurança (https)
  • Design responsivo
  • Arquitetura de links.

E é por isso que, embora não sejam consideradas métricas exatas, são compostas por outros fatores que podem ser medidos e melhorados. 

Em suma, trata-se de uma simplificação de uma série de fatores que beneficiam ao usuário e, consequentemente, ao algoritmo do Google. 

Se esse conteúdo foi útil para você, considere se inscrever na nossa newsletter. Nela, você receberá atualizações frequentes sobre marketing de conteúdo e SEO.

ARTIGOS RELACIONADOS

NEWSLETTER

Cadastre-se para receber tendências e análises sobre as melhores práticas de marketing digital

Últimos Posts